Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso - ACEMAT
Contato com a Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso  Facebook da Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso  Canal Youtube da Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso 

Plano Safra amplia acesso ao crédito para armazenagem


Publicada em: 07/06/2017 16:31:17

Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) terá linha adicional de R$ 300 milhões voltada para as empresas cerealistas.
O governo federal anunciou nesta quarta-feira (7) a disponibilização de R$ 190,25 bilhões para financiar o agronegócio nacional. O prazo de acesso ao crédito rural vai de 1º de julho deste ano até 30 de junho de 2018. Uma das principais novidades do Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018 é a criação de uma linha de financiamento adicional, nos mesmos moldes do Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA). Trata-se do BNDES Cerealistas, no valor de R$ 300 milhões, destinada para as empresas cerealistas.

O grande articulador dessa nova possibilidade de crédito foi o deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), que defendeu a proposta junto aos ministérios da Agricultura e Fazenda. Segundo o parlamentar, a iniciativa vai fortalecer a indústria de armazenagem e levar à expansão das estruturas em todo o país. "Onde não há cooperativa e o agricultor não tem condições de erguer seu próprio armazém, é fundamental o papel desempenhado por esses empresários no escoamento da produção", argumentou. Além dos R$ 300 milhões do BNDES Cerealistas, o PCA vai contar com R$ 1,3 bilhão para as cooperativas e pessoas físicas. Os recursos para armazenagem terão prazo de amortização do crédito em até 15 anos, financiamento de 100% do valor do projeto e os juros aplicados nessa modalidade serão de 6,5% ao ano.

Estima-se que déficit de armazenagem em todo o Brasil seja de aproximadamente 70 milhões de toneladas. Os números podem ser muito maiores se considerados os estoques de passagem e a sobrecarga dos silos estatais. Segundo o diretor-presidente da Joscil Equipamentos, Edson Schafer, o problema se agrava pelo fato de se considerar portos e caminhões como locais de armazenagem. "A necessidade de investimento é extremamente grande. O menor investimento de todos é no setor de armazenagem de grãos. E para darmos cabo nisso tudo, precisamos que o produtor invista e as cooperativas continuem recebendo todo o incentivo possível. Mas também precisamos que as cerealistas tenham acesso, uma vez que elas cumprem a mesma função de uma cooperativa, financiando a produção e fornecendo os insumos", explicou.
Já o presidente da Associação Brasileiras das Empresas Cerealistas (ACEBRA), Arney Frasson, destacou que a criação da linha BNDES Cerealistas representa um sinal positivo para a retomada dos investimentos. "O governo está nos dizendo o seguinte: vão, invistam, que nós (governo) daremos condições igualitárias para o setor. Com isso, o empresário passa a ter mais confiança para investir, sabendo que o ambiente concorrencial vai ser mais equilibrado", destacou o dirigente.

O Plano Safra em números
O volume de crédito para custeio e comercialização é de R$ 150,25 bilhões, sendo R$ 116,25 bilhões com juros controlados (taxas fixadas pelo governo) e R$ 34 bilhões com juros livres (livre negociação entre a instituição financeira e o produtor). O montante para investimento saltou de R$ 34,05 bilhões para R$ 38,15 bilhões, com aumento de 12%. Apoio à comercialização terá 1,4 bilhão. O limite de financiamento de custeio é de R$ 3 milhões por produtor, por ano-agrícola. Para o médio produtor, o limite é de R$ 1,5 milhão. O prazo de pagamento é de 14 meses para produtores de grãos.

Juros

Quanto aos juros, houve redução de um ponto percentual ao ano nas linhas de custeio e de investimento e, de dois pontos percentuais ao ano nos programas prioritários voltados à armazenagem (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns/PCA - 6,5% a.a.) e à inovação tecnológica na agricultura (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária/Inovagro - 6,5% a.a.). No custeio, os juros caíram de 8,5% ao ano e 9,5% ao ano para 7,5% e 8,5%. O mesmo aconteceu para os programas de investimento, à exceção do PCA e Inovagro, nos quais a taxa foi fixada em 6,5% ao ano.

Moderfrota

O Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota) passa a contar com R$ 9,2 bilhões, com incremento de 82,2%. A compra de máquinas e implementos agrícolas terá o limite de financiamento de 90% do valor financiado, com prazo de pagamento de 7 anos.

Seguro agrícola

Em 2018, o produtor poderá contar com R$ 550 milhões do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), com aumento de 37,5%. O PSR oferece ao agricultor a oportunidade de proteger sua produção agrícola com custo reduzido, por meio de auxílio financeiro do governo federal.


Fonte: Apolos Neto (Assessor de Imprensa deputado Jerônimo Goergen – PP/RS)
Outras Notícias no Site



Cep: 78.455-000
© 2015 - 2016 ACEMAT - Todos os direitos reservados
Associação das Empresas Cerealistas do Estado do Mato Grosso
Avenida Amazonas, 512 E – Centro.
Cep. 78.455-000 - Lucas do Rio Verde - MT
(65) 9 9995-8787

Design e Desenvolvimento: George Cavalcante