Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso - ACEMAT
Contato com a Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso  Facebook da Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso  Canal Youtube da Associação das Empresas Cerealistas do Estado de Mato Grosso 

Caramuru aposta em usina de etanol de soja


Publicada em: 20/09/2017 18:26:58

Feito em parceria com a Finep, projeto é o primeiro do tipo no País em escala comercial; investimento será de R$ 115 milhões

Em 2012, quando a Caramuru Alimentos começou a produzir proteína concentrada de soja na fábrica de Sorriso, no Mato Grosso, a empresa deparou-se com um problema: o que fazer com o resíduo, o melaço de soja? "Era uma quantidade tão grande que poderia emperrar a fábrica", lembra o vice-presidente, César Borges.
De lá para cá, as 230 toneladas diárias de melaço têm sido aproveitadas para alimentação do gado e geração de energia. Agora a empresa decidiu produzir etanol de soja a partir do melaço, um projeto pioneiro no País em escala industrial, diz Borges. O etanol hidratado pode ser usado como combustível para veículos e como matéria-prima na indústria química.

O pontapé inicial para a fabricação de etanol de soja e de também de lecitina de soja de segunda geração, a partir do melaço, acaba de ser dado. A Finep, empresa pública de fomento à tecnologia e inovação, liberou R$ 40 milhões para a Caramuru tocar o projeto. É a primeira parcela de financiamento de R$ 69 milhões para implementar a fábrica, que começa a funcionar em dois anos. O investimento total será de R$115 milhões e a diferença – R$ 46 milhões – são recursos da própria companhia.
A fábrica terá capacidade de 6,8 milhões de litros de etanol por ano e 3 mil toneladas de lecitina de soja. Deve gerar 60 empregos diretos e 200 indiretos. Quando a produção de etanol e lecitina de segunda geração estiver em pleno funcionamento, deve agregar R$ 20 milhões por ano ao resultado da empresa. Em 2016, a companhia faturou R$ 4 bilhões. A previsão é atingir R$ 4,2 bilhões este ano.

Luis Felipe Maciel de Souza, gerente do departamento de Agronegócios e Biocombustíveis da Finep, diz que o projeto é inovador e que é a primeira vez que existe a possibilidade de chegar a produção de etanol de soja em escala comercial.

Quanto ao custo do etanol de soja em relação ao de cana e de milho, o especialista diz que não é possível fazer comparações. Souza explica que não seria viável uma produção de soja voltada para a extração do etanol. "Soja para etanol não é economicamente viável, mas como um subproduto, sim." Ele diz que a cana é "imbatível" em relação a outros insumos na extração de etanol por causa da elevada concentração açúcar.

Tecnologia. A tecnologia para produção de etanol de soja é nacional e foi desenvolvida pela engenheira química Paula Fernandes de Siqueira, que fundou o Intecso, um centro de tecnologia avançado em agronegócio. Ela licenciou a tecnologia para a Caramuru, que terá autorização para explorar comercialmente a produção. Pelo uso, a Intecso recebeu um valor fixo que, por questões contratuais não é revelado.

A outra parte será sobre o desempenho da produção. O contrato não prevê exclusividade e a engenheira pode licenciar a tecnologia para outras empresas que produzem proteína concentrada e têm como subproduto o melaço. Hoje há duas empresas que poderiam produzir etanol de soja: a Incopa e Selecta. Procuradas, as empresas não deram retorno.


Fonte: Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

Leia a notícia na íntegra: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,caramuru-aposta-em-usina-de-etanol-de-soja,70002006747
Outras Notícias no Site



© 2015 - 2016 ACEMAT - Todos os direitos reservados
Associação das Empresas Cerealistas do Estado do Mato Grosso
Rua Presidente Wenceslau Braz, 202 - Morada do Sol
Cep. 78043-508 - Cuiabá - MT
(65) 3023-8802

Design e Desenvolvimento: George Cavalcante